Entenda as razões da fatalidade

O risco de um infarto em jovens, pessoas com menos de 30 anos, aumentou em 13% do ano de 2013 até o momento de acordo com os dados divulgados pelo Ministério da Saúde. Os casos de infarto fulminante estão vindo à tona através da mídia. Sempre nos deparamos com notícias de atletas profissionais que sofrem um ataque irreversível do coração.
Estresse, obesidade, diabetes, tabagismo, hipertensão e colesterol fora de controle, além do histórico familiar, são fatores cada vez mais prevalentes e apontados como os grandes responsáveis pelo aumento da triste estatística.

Os genes e algumas peculiaridades biológicas ainda entram em jogo. Como no caso de diversas categorias de atletas profissionais, que praticavam esporte quando sofrem o ataque, muitas vezes, lamentavelmente, o comprometimento cardiovascular só se revela na hora do próprio infarto. E isso pode ocorrer com qualquer pessoa, até mesmo aquelas que praticam esportes com o auxílio de um educador profissional e segue uma vida equilibrada, com dieta supervisionada e possui os melhores hábitos.

Para evitar a doença, ficar atento a antecedentes familiares (avós, pais ou irmãos que infartaram mais cedo), ter acompanhamento médico e buscar um estilo de vida equilibrado compõem um roteiro básico.

Se alimentar com qualidade, dormir bem e praticar atividades físicas são direcionamentos de uma vida mais leve e com menos problemas na área de saúde. Ter um time composto por profissionais para ajudar na dieta; na atividade física e na saúde do coração – bem como a saúde da mente, através dos terapeutas – são hábitos fundamentais para viver mais e melhor.